Books Should Be Free is now
Loyal Books
Free Public Domain Audiobooks & eBook Downloads
Search by: Title, Author or Keyword

Manifesto anti-Dantas e por extenso por José de Almada Negreiros poeta d'Orpheu futurista e tudo   By: (1893-1970)

Book cover

First Page:

MANIFESTO

ANTI DANTAS

E

POR EXTENSO

POR

JOSÉ DE ALMADA NEGREIROS

POETA D'ORPHEU

FUTURISTA

E

TUDO

ESTE

Manifesto não teria sido possível sem Marinetti. Sem o clima de insurreição contra as belas letras cultivadas pelas academias, naquele ambiente morno em que as imagens sediças têm um viço de esmalte e de pintura à pistola.

Sempre esses cenáculos em que pontificam caducos literatos de graves ademanes senis e de frases brunidas, medidas pelo diapasão dos clássicos que o tempo ressequiu, foram considerados os templos da Literatura e da Arte consagrada e definitiva.

Sempre também os que vieram ao mundo com algo para dizer de novo, reagiram contra esses colégios de eruditos e de artistas aposentados na glória, essa glória capitalizada em duas ou três obras de sofrível sucesso, elevadas pelo panegirico dos confrades do elogio mútuo a sensacionais obras primas de expressão mundial.

Mas escola nenhuma rompera tão desabridamente com as reverências do velho mundo das letras, refugara as glórias da tradição e da vida oficial, como esse Futurismo, que Marinetti projectara no mundo, com o ardor, a combatividade, a diabólica juventude dum libertário.

A Civilização material representada pelo industrialismo, a potência criadora do homem vista através das energias mecânicas, o dinamismo e a vertigem como expressão dum novo estado de alma trouxeram novos ritmos à epopeia através do verbo poético de Whitman, o grande poeta da democracia, e de Verhaeren, o cantor das grandes urbes tentaculares, em que a vida ganha uma expressão colectiva, como até aí só episòdicamente alcançara nos breves momentos das cruzadas ou das expedições militares.

Mas é o Futurismo que proclama a revolta do homem. E porque é muito mais um acto de rebelião e, portanto, um acto impossível de controlar racionalmente, do que um movimento literário ou estético que trás, por adição, ao património literário uma contribuição nova, no seu âmago estuam todas as contradições e germinam os grandes conflitos que pirotècnicamente deflagraram depois sobre o mundo, ensombrando de inquietação a face do nosso tempo.

O futuro militante fascista, ali apregoa o valor purificador e criador da guerra, o desdém da civilização pacífica e de todos os seus acentos femininos e cristãos. É a tuba sonora da vertigem e da luta. A linguagem adquire um valor novo lançada em combinações extravagantes e brutais, alheias à sintaxe e à lógica do discurso. São balas. São pedras. São gritos. Balas, pedras e gritos que aumentam de rumor na medida em que as letras aumentam de tamanho.

O clima espiritual de Marinetti ninguém o traduziu melhor que Almada Negreiros. Ele foi o melhor cartaz do modernismo em Portugal.

Sá Carneiro era um esteta de ritmos prismáticos, em que a luz se decompunha em florescências decadentes e subtis. Era por assim dizer, uma bandeira heráldica, oirescente e escandalosa.

Fernando Pessoa toma para si o papel de mentor intelectual. Há sempre um sentido oculto nas suas criações literárias. Sempre lhe preside uma ideia. Sempre procura opor ao que está uma filosofia, uma mentalidade ou até uma nova humanidade.

Santa Rita figura de precursor, e como tal, é um impulso que se deixa de realizar em si para se realizar nos outros.

Almada é a trombeta do cortejo. Salta à frente, com este estridente manifesto literário, em que o escândalo rebenta por todas as linhas, salta à frente com teatralidade dos seus gestos, dos seus gritos e dos seus atentados ao gosto e aos hábitos do senhor toda a gente, hábitos de trajar, de pensar, de fazer versos, de ser funcionário público e de ter descendência linfática.

Destapa a careca dos burgueses, ri se da sua literatura sem noviade, sem imaginação, hipócrita e probremente sexual, do seu lirismo requentado, da sua política de labita, do seu jornalismo sem agitação, da sua arte andrajosa e quase litográfica, da sua moral caricata, amarrada estreitamente ao cadáver dum mundo que se afundava na cova, ruído de reumatismo... Continue reading book >>




eBook Downloads
ePUB eBook
• iBooks for iPhone and iPad
• Nook
• Sony Reader
Kindle eBook
• Mobi file format for Kindle
Read eBook
• Load eBook in browser
Text File eBook
• Computers
• Windows
• Mac

Review this book



Popular Genres
More Genres
Languages
Paid Books