Books Should Be Free is now
Loyal Books
Free Public Domain Audiobooks & eBook Downloads
Search by: Title, Author or Keyword

Miragaia Romance Popular   By: (1799-1854)

Book cover

First Page:

MIRAGAIA

ROMANCE POPULAR

PELO A. DE ADOZINDA, BERNAL FRANCEZ, ETC.

ILLUSTRAÇÕES DOS SRS. BORDALLO E COELHO.

LISBOA

TYP. DA SOCIEDADE PROPAGADORA DOS CONHECIMENTOS UTEIS

LARGO DO PELOURINHO N.º 24.

MDCCCXLIV.

Quando dei ésta bagatella aos Srs. Editores do JORNAL DAS BELLAS ARTES para encherem algum vão que lhes sobrasse n'aquella tam linda e tam elegante publicação, escrevi, a um canto do proprio rascunho original que não tive paciencia de copear, as seguintes palavras:

«Este romance é uma verdadeira reconstrucção de um monumento antigo. Algumas coplas são textualmente conservadas da tradição popular, e se cantam no meio da historia rezada , ainda hoje repetida por velhas e barbeiros do logar. O conde D. Pedro e os chronistas velhos tambem fabulam cada um a seu modo. O auctor, ou, mais exactamente, o recopilador, seguiu muito pontualmente a narrativa oral do povo, e sobretudo quiz ser fiel ao stylo, modos, e tom de cantar e contar d'elle; sem o quê, é sua íntima persuasão que se não póde restituir a perdida nacionalidade á nossa litteratura.»

O postscriptum, servindo de nota ou commento, sahiu impresso no primeiro número do referido jornal com os dois primeiros cantares do romance, e foi ampliado com algumas observações por extremo lisongeiras dos Srs. Editores, a quem tomára eu auxiliar como elles merecem por sua gentil imprêza, que é a mais bella e das mais uteis que se teem commettido em Portugal.

Devo ao seu favor, não so o terem adornado a minha MIRAGAIA com as suas graciosas gravuras em madeira que todos teem admirado, mas o permittirem que fizesse com ellas ésta pequena edição em separado com que quero brindar alguns amigos apaixonados, como eu, de nossas antigualhas populares.

É uma folha avulsa do meu ROMANCEIRO GERAL cujo primeiro volume ja está em podêr do público; e lá será reposta em tempo e logar conveniente.

Foi das primeiras coisas d'este genero em que trabalhei; e é a mais antiga reminiscencia de poesia popular que me ficou da infancia, porque eu abri os olhos á primeira luz da razão nos proprios sitios em que se passam as principaes scenas d'este romance. Dos cinco aos dez annos de edade vivi com meus paes n'uma pequena quinta, chamada o «Castello », que tinhamos áquem Doiro, e que se dizia tirar esse nome da vizinhança das ruinas do antigo castello mourisco que alli jazem perto. Com os olhos tapados eu iria ainda hoje achar todos esses sitios marcados pela tradição popular. Muita vez brinquei na fonte do rei Ramiro, cuja água é deliciosa com effeito; e tenho idêa de me ter custado caro, outra vez, o imitar, com uma gaita da feira de San'Miguel, os toques da bozina de S. M. Leoneza, impoleirado eu, como elle, n'um resto de muralha velha do castello d'elrei Alboazar: o que meu pae desapprovou com tam significante energia, que ainda hoje me lembra tambem.

Assim ólho para ésta pobre Miragaia como para um brinco meu de criança que me apparecesse agora; e quero lhe que mal ha n'isso? quero lhe como a tal. Não a julguem tambem por mais, que o não vale.

Lisboa 24 de Janeiro 1844.

MIRAGAIA

I

Noite escura tam formosa, Linda noite sem luar, As tuas estrellas de oiro Quem n'as poderá contar!

Como as folhinhas do bosque, Como as areias do mar... Em tantas lettras se escreve O que Deus mandou guardar.

Mas guai do homem que se fia N'essas lettras decifrar! Que a ler no livro de Deus Nem anjo póde atinar.

Bem ledo está Dom Ramiro Com sua dama a folgar; Um perro bruxo judio Foi causa de elle a roubar:

Disse lhe que pelos astros Bem lhe podia affirmar Que Zahara, a flor da belleza, Lhe devia de tocar.

E o rei veio de cilada D'além do Doiro passar, E furtou a linda moira, A irman d'Alboazar.

A Milhor , que é terra sua E está á beira do mar, Se acolheu com sua dama, Nem de mais sabe cuidar.

Chora a triste da rainha, Não se póde consolar: Deixá la por [~u]a moira Deixá la com tal dezar!

E a noite é escura cerrada, Noite negra sem luar, Sosinha no seu balcão Assim se estava a queixar:

«Rei Ramiro, rei Ramiro, Rei de muito mau pezar, Em que te errei d'alma ou corpo, Que fiz para tal penar?

«Diz que é formosa essa moira, Que te soube infeitiçar... Continue reading book >>




eBook Downloads
ePUB eBook
• iBooks for iPhone and iPad
• Nook
• Sony Reader
Kindle eBook
• Mobi file format for Kindle
Read eBook
• Load eBook in browser
Text File eBook
• Computers
• Windows
• Mac

Review this book



Popular Genres
More Genres
Languages
Paid Books